Divagando...

Divagando...
Bosque da Princesa em Pindamonhangaba - Foto de Maria Teresa de Brum Fheliz Benedito

domingo, 27 de março de 2016

Feliz Páscoa do Senhor!

Páscoa!
“Páscoa (do hebraico Pessach, significando passagem através do grego Πάσχα) é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa da Cristandade. Na Páscoa os cristãos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação (verSexta-Feira Santa) que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 da Era Comum. A Páscoa pode cair em uma data, entre 22 de março e 25 de abril. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa até ao Pentecostes.
                     (((((Pesquisa na Web)))))

Queridos amigos quero desejar a cada um de vocês
e a todos que vocês amam,
a melhor Páscoa da vida de vocês.
Que seja perfeita na paz.
Que seja perfeita no amor.
Que seja perfeita na união.
Que seja perfeita no carinho.
Que seja perfeita na ternura.
Que seja perfeita no respeito.
Que seja perfeita na saúde.
((que tanto se falou por toda quaresma))
Que seja perfeita na solidariedade.
Que seja perfeita na alegria.
Que seja perfeita na comunhão com os irmãos.
Que seja perfeita na comunhão com Cristo.
Que seja perfeita no brinde com a família.
             Um beijo no coração de vocês,
                            Maria Teresa

sábado, 26 de março de 2016

Voltando no tempo

Eu aos 4 ou 5 anos.


Perguntaram-me assim: “Se você pudesse voltar no tempo, em que tempo seria”?
Voltaria quando era criança, lá na cozinha de casa ao anoitecer.
Aprendi muito naquela cozinha simples, de cimento vermelho, com fogão a carvão, um guarda-comida, um paneleiro, uma pia toda branca, uma mesa oval feita por papai e seis cadeiras, ‘éramos seis’.
Papai tinha uma loja de confecção própria, uma pequena loja e quando a noitinha ele chegava de volta de mais um dia de trabalho, se sentava num banquinho e eu em outro.
Pegava seu bandolim e ia contar como tinha sido o ‘movimento’ da loja naquele dia, uns dias ia bem, noutros não tão bem, mas vivíamos com dignidade e na simplicidade.
Enquanto ele contava seu dia dedilhava alguma canção naquele velho e bom bandolim, eu ficava de olho nas mãos dele e em seu olhar terno que sempre tinha.
Eu adorava as histórias de papai, depois que ele contava sobre seu dia, perguntava a mamãe como foi o dia dela e ela toda feliz dizia assim: ”Ah meu velho hoje fiz cinco camisas brancas, estão prontas e passadas, amanhã é só levar para a loja”, cuidei de nossa casa e de nossa menina, (eu).
Mamãe era uma grande costureira, ajudava o papai nas costuras da loja, ficava toda feliz por isso, eles eram muito felizes e se amavam muito, eram almas gêmeas.
Depois o vovô contava também as coisas que tinha feito, meus irmãos também e chegava a minha vez de falar, eu toda faceira contava que tinha brincado no quintal com vovô, que tinha comido muita goiaba sentada num dos galhos dela, rsrs.
E papai perguntava: “Leu algum livrinho de estória”?
Eu corria até a sala e pegava o livro e já começava a contar a estória, eu ainda não sabia ler, eu lia as figuras e contava para todos.
Bons tempos aqueles que vivos estão em minha memória.
Adoraria voltar naquele tempo e ouvir papai tocar seu bandolim e contar as velhas histórias e sentir aquele cheiro de novo da "janta" que mamãe fazia com tanto amor e sentir também o cheiro que cada um de nós tinha naquela época... Saudades gostosas de sentir.
É nesse tempo que gostaria de voltar, mas volto sempre lá naquela cozinha e revivo estes momentos em meu coração.
                     Um abraço cheio de saudades, Maria Teresa

Bosque da Princesa, puro encantamento





A primeira vez que estive no Bosque da Princesa aqui em Pindamonhangaba, eu tinha mais ou menos uns 5 anos, morávamos em Taubaté e de vez em quando meus pais me traziam aqui para passear, vínhamos de ônibus, para mim naquela época era uma grande viagem.
O Bosque era bem diferente, mas não menos encantador e eu falava para os meus pais, “quando eu crescer venho morar aqui”, mas não era em Pinda, mas sim no Bosque, lá a realidade se misturava com a imaginação e sonhos, princesas, príncipes, castelos...
E não é que vim morar em Pinda, pois é, conheci meu marido e depois que casamos ele me trouxe para cá.
Gostamos muito de vir aqui neste Bosque da Princesa de grande beleza.
E ficarmos ali em silêncio, só escutando a bela natureza que canta através dos pássaros, através do murmúrio da água que corre às vezes mansa, às vezes brava por algum motivo... é o Rio Paraíba.
E como não vir aqui sempre e fotografar, filmar e sentar num dos bancos de frente para o rio e namorar um tantinho com o bem, não tem prazer maior, num domingo de manhã.
Bom demais ficar ali em silêncio e ouvir melodias incríveis orquestradas por pássaros, pela mata que sussurra e o barulhinho do rio que segue seu destino, indo encantar mais pessoas pelo caminho.
O balanço do vento nas árvores faz que elas murmurem coisas de amor, que só os apaixonados pela natureza conseguem sentir e ouvir.
É tão bom ficar ali com meu bem e sentir toda esta beleza, que Deus nos presenteia com seu doce e suave  amor.
Sempre que podemos retornamos a este canto de lugar.

domingo, 20 de março de 2016

Bem vindo Outono!


                                       Foto minha, praia do Felix em Ubatuba

Nada mais lindo para ilustrar a entrada do Outono, 
uma das estações mais belas do ano, que 
Noturno de Chopim, por si só esta belíssima peça, já nos inspira. 
Basta ouvi-la com o coração.
E não é por acaso que a Quaresma tenha sempre seu 
espaço dentro desta estação, é o tempo da conversão, 
da oração, do encontro, da reflexão.
Outono é a mesma coisa no tempo e no espaço da 
natureza e no tempo do espaço do ser da nossa vida, 
que é também um momento reflexivo, de semeadura
e de colheita, inclusive de novos amores deixando
o ser fluir, como flui a natureza.
Outono, estação de fazer nascer a ousadia do amor.
O tom verde das folhas baila aos nossos olhos e o 
tempo como num passe de mágica, passa por elas 
deixando amarelecidas.
As pessoas ficam serenas como
se a maturidade chegasse de repente...
a pele se acalma,
o sorriso aflora,
o olhar tem um novo brilho...
Dá vontade de cantar,
De contar e ouvir velhas histórias,
fazer confidências,
reunir amigos em casa,
ouvir velhos discos, aqueles de “vinil”,
ler aquele livro esquecido 
sobre aquela escrivaninha,
namorar com o par certo e 
com ele dançar um bolero bem de perto...
Dá vontade de entrar em harmonia com Deus,
numa contemplação única, divina.
Outono tempo de semear na natureza
e em nosso coração as sementes da vida,
do sonho, da alegria, da lealdade, 
da ternura, do carinho,
enfim da ousadia de amar e ser amada... 
Feliz Outono para todos nós!

                  Maria Teresa

quinta-feira, 17 de março de 2016

Um bate-papo com Luiz José de Brum



     "Eu sou o dia, hoje o meu semblante está alegre e toda a natureza se alegra comigo, mas as vezes estou carrancudo, choroso e toda a natureza se entristece e chora comigo.
     É que meu tataravô é um velho que hora está alegre e hora ranzinza e muitas vezes furioso e a minha alegria ou tristeza depende dele.
     O meu tataravô é o tempo, é tão velho como o mundo, quando estou alegre, sorridente, sou um dia de sol seguido de uma noite calma com o céu crivado de estrelas.
     As árvores se dobram suavemente sob o respirar brando do meu tataravô, a essa respiração dão o nome de respiro, a essa respiração branda dá-se o nome de brisa.
     Outras vezes sou um mal dia por que o meu tataravô está enfurecido, respira forte, soprando com furor derrubando tudo, bufa, uiva, ruge como uma fera.
     As árvores sob sua fúria dobram-se e quebram-se, as casas são destruídas e destelhadas. A essa respiração estertorosa e violenta dá-se o nome de furacão.
     A minha vida é de pouca duração é limitada pelo giro que a terra faz em torno do seu eixo.
     Há tempos remotos os homens só conheciam as duas fases principais de minha vida, o nascer e o por do sol.
     Aí inventaram de espetar uma vareta no chão, cuja sombra marcava a minha idade, muito mais tarde inventaram um aparelho que cheio de areia que colocado de cabeça para baixo ia escorrendo a areia a fim de determinar a minha idade, mesmo que meu tataravô estivesse zangado e não deixasse o sol sair.
     Por fim inventaram uma peça mecânica que deram o nome de relógio, o qual fazia aquele  trabalho com mais precisão, marcando as minhas vinte e quatro horas.
     Como vêem tenho uma vida curta, entretanto posso ficar imortal e com isso imortalizar o meu pai, o mês e o meu avô o ano, basta para isso que um fato histórico ou o nascimento de um homem que se tornou famoso pelos seus feitos, se dêem no período da minha existência, assim como a Proclamação da República e o dia 15 ficou imortal e imortalizou o seu pai Novembro e o seu avô 1889 também ficou imortal.
     Também costumo ficar imortal quando algum poeta ou escritor aplica o meu nome nas suas obras e fica imortal, também o meu pai o mês e muitas vezes ficam também imortais os meus tios, a primavera, o verão, o inverno e raramente o outono.
     Eles fazem assim: “naquele dia triste de inverno...” ou então “naquela tarde alegre de primavera...” ou ainda “naquele dia de verão afogadiço...”
     Só não é muito lembrado o meu tio outono, por ser um sujeito indiferente, pois não é frio e nem quente.
     É assim a minha curta existência, vou parar por aqui por que o meu tataravô o tempo voa veloz e temo que me deixe em dificuldade para mais explicação, salvo se acontecesse como naquele fato bíblico em que a pedido de Josué, o dia teve maior duração e então eu poderia bater mais um pouco de papo".

          De Luiz José de Brum, meu querido papai.

    (((Esta crônica foi escrita na década de sessenta)))

...........BOSQUE DA PRINCESA, EM PINDAMONHANGABA..........

quarta-feira, 16 de março de 2016

Aniversário do meu amado pai

Quanta saudade em meu coração.
Hoje é seu aniversário, mas 
seu endereço é outro agora, é o céu.
E não dá para lhe dar um abraço apertado 
e um beijo melado de amor.
Que saudades papai!
Saudades de tanta coisa.
Saudades dos seus conselhos e ponderações.
Saudade do jeito especial que o senhor nos amava.
Saudades das palavras carinhosas que o senhor
sempre tinha quando estávamos tristes.
Saudades papai da sua alegria tímida, 
saudades do seu sorriso.
Saudades papai, dos acordes do seu bandolim.
Ah papai quanta saudade que meu coração chora.
Choro, mas com a certeza que o senhor 
está feliz ao lado de mamãe.
Saudades papai!
Sua benção papai!

            Maria Teresa.

(Papai e mamãe na década de setenta)

domingo, 6 de março de 2016

Evangelho de hoje: O Filho Pródogo

Meditei assim o Evangelho de hoje: O Filho Pródigo

Imagem da Web

As parábolas da Misericórdia é o centro do Evangelho de Lucas.
Para mim todo o Evangelho está contido na Parábola do Filho Pródigo, segundo Lucas.
Para mim esta Parábola é a mais bonita de todas que Jesus nos contou.
Quando leio ou medito a Parábola do Filho Pródigo, me sinto sempre voltando ao colo do Pai, sempre me redimindo de alguma culpa.
Nunca me acho o suficiente no colo do Pai, sempre quero mais, sempre me vejo voltando, esta é a verdade, me sinto sempre mudando meu modo de viver, de agir, me sinto convertendo a cada meditação, sempre tenho alguma coisa para ser convertida, me sinto sempre mudando a direção da minha vida em direção ao colo do Pai Misericordioso.
Graças a Deus que isso acontece.
Muitas vezes nós fazemos como o filho mais jovem, pegamos nossas coisas e nossa viola e vamos embora do Pai e gastamos tudo de bom e bonito que construímos ao longo da vida e vamos embora até de nós e ficamos nus do sentimento de Deus.
Quando fazemos isso, quando partimos da casa do Pai, Deus fica com o coração contrito, dolorido.
Por outras vezes somos como o filho mais velho, pensamos que estamos perto do Pai, por que vamos a Missa, rezamos, damos esmolas, mas de verdade estamos aquém do Pai.
Somos como o filho mais velhos, com ressentimentos, reclamando de tudo e julgando tudo a nossa volta.
O Pai aqui também fica com o coração entristecido, por que o filho mais velho pensa que está de verdade ao lado Dele, mas não está.
Voltando ao filho mais jovem, mas nos colocando no contexto da parábola.
Chega um dado momento que nos vemos no fundo do poço, gastamos tudo, estamos com fome de amor, nos sentimos sozinhos, nos sentimos nus, rasgados nas vestes e na alma.
E vem o arrependimento e pensamos no Pai com ternura e percebemos que quando estávamos lá na casa Dele, tínhamos tudo.
E vem a coragem de voltar, de pedir perdão e nos achegamos de novo ao colo do Pai e de cabeça baixa, pedimos perdão e o Pai que é todo Misericórdia nos acolhe num abraço perdoando nossos pecados e se faz morada em nosso coração, através desse abraço. Deixar a casa do Pai é negar que pertencemos a Deus, não é a casa física que abandonamos, mas a casa espiritual que é Deus, o Pai amado.
A casa do Pai é o centro do nosso ser, é o nosso coração, é a nossa alma.
Vamos fazer como o Filho Pródigo, retornar sempre, toda hora para o colo do Pai.
Mas tem um, porém, o filho mais novo voltou, mas o filho mais velho, todo revoltado, o Pai o chama para comemorar a volta do irmão, mas ele diz que esta festa é sem propósito.
Uma coisa que ia esquecendo de dizer, este filho mais velho é cada um de nós que está longe do Pai embora perto mas longe, por que na maioria das vezes não fazemos a vontade do Pai e sim a nossa miserável vontade e nos afastamos do Pai, embora morando na mesma casa.
Jesus termina a estória falando assim: Convinha, porém, fazermos festa, pois este teu irmão estava morto, e reviveu; tinha se perdido, e foi achado”.
Fica uma pergunta para nós.
Iremos entrar na casa do Pai e celebrarmos juntos ou continuaremos ressentidos, reclamando e julgando?
Qual será de verdade nossa decisão?
Foi por isso que Jesus terminou a estória, a linda parábola do jeito que terminou, para que pensássemos e tomássemos a melhor decisão.

             Um abraço fraterno, Maria Teresa

quinta-feira, 3 de março de 2016

Mamãe, hoje é seu aniversário!



Mamãe querida hoje é seu aniversário!
Há 107 anos a senhora nascia e há 32 anos a senhora foi para o céu se encontrar com o papai.
Sei que a senhora está feliz aí com papai e todos que a senhora amava aqui na terra e que agora aí estão, mas a saudade que sinto e tão grande, porém não tão doída mais, agora ela é suave, até doce, como a senhora sempre foi.
Lembro tanto do seu sorriso, da sua gargalhada tímida, como era bom sentir a senhora feliz!
Lembro tanto do seu carinho, da sua ternura, do seu amor, das suas mãos macias me afagando e me protegendo.
Lembro tanto das histórias que contava de sua infância e que me encantava tanto.
Lembro tanto do seu tempero, que comida deliciosa, que bolos e doces incríveis que a senhora fazia com tanto amor e que ninguém faz igual.
Lembro tanto da senhora trançando meus cabelos para ei ir para a escola, tempos bons, que saudades!
Lembro tanto da senhora crochetando toalhas maravilhosas, tenho uma, lembra a senhora falou, esta é para quando você casar...
Lembro tanto da senhora embaixo da Jabuticabeira dizendo: “desce daí menina, você vai cair, seu pai está chegando e não vai gostar nadinha de lhe pegar aí em cima de novo”.

Lembro tanto, tanto, tanto mamãe das nossas histórias simples, mas recheadas de amor infinito, que a saudade aumenta tanto, tanto, mas sou feliz mamãe e sei que a senhora está junto do papai, do Zezé, do vovô e tantos outros queridos...
amo muito a senhora e sempre terá meu amor e eu carinho e continue nos abençoando e nos protegendo, mamãe querida, sua benção!
             Maria Teresa

Mimo de Gracita

Delicadeza de Roberta Maia

Como é bom viver...

Hum, como é bom viver a vida com responsabilidade e alegria!
Mas vida é curta para ser vivida com intolerância, com mau humor e estupidez como tenho visto por ai.
A vida é para ser vivida como se fosse um desabrochar de uma rosa, lentamente. Como o despertar do girassol, que se espreguiça todo até ficar olhando o sol, para melhor aproveitar a sua vida.
Viver a vida como se ela fosse uma sinfonia de pássaros matinais e se prestar atenção ouvirá uma sinfonia diferente a cada amanhecer, é só não ter pressa e ouvir, porque os pássaros estão lá a cada amanhecer.
Viver a vida sem pressa alguma porque a pressa não deixará experimentar o doce sabor que ela oferece a cada dia e olha, ela oferece sabores diferentes e crescedores de se viver.
Viver a vida como se não houvesse noites e só dias e dias de sol.
Então faça da noite do viver o mais lindo dia de sol!!

Arte: Émilie Munier
Autoria: Maria Teresa

Palavras da autora: “...nasci rodeada por livros, boa música, pinturas de quadros (papai tinha um atelier em casa), bordados (mamãe bordava lindamente) e muita religiosidade, caçula de três irmãos homens, temporã de pais na meia idade, fui educada com muito amor e mimo......adoro poesia e deixo o coração ditar e minhas mãos copiarem sobre o papel e ou teclado...amo ler e escrever, gosto muito de brincar com as letras...”

Maria Teresa tem dois Blogs:
Blogs lindos, cheio de declarações de amor( a seu marido) e muita paz!!!
Conheçam!!!

- Minha querida Maria Teresa, sua base familiar refletiu na linda mulher que é, apesar de conhecer apenas virtualmente, sinto sua energia BOA daqui!
Aqui é seu selinho destaque querida, fique à vontade para leva-lo:


Beijinhos Iluminados e Agradecidos!!

11 Comentários:

  1. Ahhhhhh como é bom VIVER!

    Aproveitar cada momento de sorriso nos lábios!

    Ahhhh como é bom VIVER

    Post inspirador Roberta!
    Amei

    :)

    Responder
    Respostas
    1. An@, sorriso nos lábios, adorooooo...!!!
      Beijinhos Iluminados!!!

      Muita Luz!!

  2. Bom dia Roberta, Parabéns a Maria Tereza pela doçura e sensibilidade, viver a vida sem pressa hoje em dia é um desafio que todos nós deveriamos querer vencer! Ótimo dia! Bjoooooss

    Responder
    Respostas
    1. Kellen,os blogs de Maria Teresa são cantinhos onde ela mostra sua paixão pelo marido e a vida!!!

      Lindo Dia!!!

  3. Conheço os blogs da Maria Tereza e são lindos sempre!!beijos às duas! chica

    Responder
    Respostas
    1. Chica, são lindo nê?!AMO DE PAIXÃO!!!
      São muito transparentes...claros!!!

      Beijinhos Iluminados!!!

  4. Querida Roberta, nem sei como fazermos para agradecer, ficamos deveras muito emocionados.
    Ficou linda sua postagem, trouxemos conosco o lindo selo que nos presenteou.
    Agradecemos do fundo do coração e seja sempre muito feliz e abençoada, que sua vida seja repleta de luz e muito amor sempre...beijos nossos no coração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Teresa, obrigada você por ter dado a permissão para que uma de suas obras estivesse aqui no Blog Luz!!!
      Fico imensamente feliz que tenham gostado!

      Beijinhos de Luz no coração do casal!!!
      Bençãos Plenas!!

  5. É isso mesmo, como é bom viver e aproveitar de todas essas coisas maravilhosas que a vida tem para nos oferecer. Ás vezes nem damos conta que estão mesmo pertinho de nós :)
    Linda mensagem, os meus Parabéns à autora!
    Beijiinhos

    Responder
  6. Olá! Tudo diferente e belo por aqui! Adorei as imagens de muita paz...e harmonia e o texto da Maria Tereza perfeito...vou conhecer...
    Parabéns Roberta!
    Bjs e que seu dia seja ótimo, com paz e bons pensamentos!
    CamomilaRosa

    Responder
  7. Olá Roberta,

    Conheço a Maria Tereza. É uma amizade recente, mas já pude constatar a beleza e sensibilidade de sua alma. Seus blogs são excelentes.

    O texto é lindo. Um convite à arte de bem viver.

    A ilustração ficou encantadora com a arte de Émilie Munier. Parabéns pelo bom gosto!

    Beijos.

    Responder